Rua: Doutor Colares n° 436
Processo: 33/2001

Localizado na rua Dr. Colares, esquina com a Rua Augusto Ribas. O imóvel foi construído no inicio do século XX por volta de 1907, sendo Carlos Starke e Frederico Ansbach os principais construtores. O primeiro proprietário do mesmo foi o Sr. Amando Cypriano da Cunha (Irmão de Theóphilo Cunha) e sua esposa Sra. Andrelina Vilela da Cunha.

Na década de 1920, durante o governo de Caetano Munhoz da Rocha – através do Inspetor Geral de Ensino, César Prieto Martinez – houve uma reforma educacional no Paraná, com a valorização da Escola Normal para a formação de professores, sendo que a lei de 31 de março de 1921 oficializou o projeto de criação das Escolas Normais nas cidades de Ponta Grossa e Paranaguá. Em 07 de abril de 1922, o Sr. Manoel Suarez e sua esposa Clara Suarez, proprietários do terreno e casas situados á Praça Barão do Rio Branco, enviaram carta ao Jornal Diário dos Campos a fim de propor a venda dos mesmos para que no local fosse instalada a Escola Normal Primária de Ponta Grossa. A escola Normal Iniciou as aulas em 1924 em prédio construído em frente á já mencionada praça. O Governo Estadual adquiriu o imóvel em estudo para que nele fosse instalado o Ginásio regente Feijó, que foi fundado em 1927, e funcionou até 1939, após ter havido no ano interior (através do Decreto Governamental n° 6.150, do dia 10 de janeiro de 1938) a fusão entre Ginásio Regente Feijó e a Escola Normal.

Em Maio de 1986, foi criado através de Lei Municipal o Centro de Cultura da Cidade de Ponta Grossa. O prédio em questão passou por um processo de restauração, tendo recuperadas as características externas da época em que foi edificado, bem como três salas do andar superior, onde há pinturas artísticas nas paredes e teto.

O Centro de Cultura foi inaugurado em 1988, constituindo-se um espaço destinado á realização de apresentações artístico-culturais, palestras, cursos, congressos, reuniões de cunho social (artístico, educacional, literário, cientifico) entre outras. O local possui em Auditório (Sala Avelino Vieira), Galeria de Artes (Galeria João Pilarski) e um espaço externo (Praça Faris Michaele), sendo que este também pode ser utilizado na realização de eventos.

FONTES:

Jornal Diário dos Campos – 07 de abril de 1922. Acervo Casa da Memória

Jornal Diário dos Campos – 05 de dezembro de 1923. Acervo Casa da Memória

Jornal de História – ano 1, n°2. Junho / 1996. Acervo Casa da Memória

HOLZMANN, Guísela V. Frey. Cinquentenário do Colégio Estadual Regente Feijó. Gráfica Planeta, 1978.

DROPA, Márcia Maria. A memória do patrimônio histórico tombado em Ponta Grossa. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciência e Letras de Assis – Universidade Estadual Paulista. Asis, 1999.