Rua: Coronel Dulcidio n°395, esq.Rua Mal. Deodoro
Processo: 63/2001

Esse imóvel foi construído no ano de 1916, conforme datação que ainda se encontra em sua fachada. Inicialmente pertenceu a João Candido Fortes, nascido em Baependi, Minhas Gerais, em 25 de agosto de 1885. Filho do Dr. João Candido de Souza Fortes, casou-se com Olga da Cunha Fortes. Era cirurgião dentista, formado pela Universidade do Paraná em 1920. Desejando ampliar suas atividades adquiriu grandes propriedades de terras no norte do Estado transformando-as em fazendas produtoras de café.
Em 1985 o prédio abrigou a escola Municipal de Música, criada em 1971 e vinculada á Secretaria Municipal de Educação e Cultura, tendo como finalidade o ensino musical gratuito.
Permaneceu no imóvel até setembro de 1992.
Em 1993 o imóvel foi cedido pela Prefeitura de Ponta Grossa ao Conselho Municipal da criança e Adolescente. O órgão atua na formulação de políticas de atendimento á criança e ao adolescente; na identificação de áreas de atuação prioritária; coordena a captação de recursos e desenvolve práticas que buscam a mobilização de opinião pública para a indispensável participação da sociedade nos seus diversos projetos.
Fontes: Acervo Casa da Memória Paraná.
BENVENUTO, Luiz & LABECCA, Nicolau. Indicador rápido princesa dos campos. 1947, p.31.
Informativo do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolecente. Ano I, n° 1, set/out 1998, p.3.
Pesquisadora: Daniele Pereira da Silva
Supervisora: Elizabeth Johansen Capri

Características relevantes do edifício:
O edifício apresenta diversas características do ecletismo e é um importante representante dessa linguagem de arquitetura na cidade de Ponta Grossa.
Sua entrada dá-se pela lateral. Passando-se o gradil de ferro, chega-se a uma escada que dá acesso á porta, onde existe uma marquise. A cobertura está embutida na platibanda, sendo esta última bastante ornamentada, possuindo frontão curvo ao centro da fachada da Rua Cel. Dulcídio, baixos relevos circulares em toda a extensão da platibanda, em ambas as ruas, moduladas por elementos verticais cujo fator coincide com a dos vãos do corpo da casa, os quais são dispostos sequencialmente, sendo todos iguais e possuindo vergas retas. As esquadrias são de madeira, de duas folhas, de abrir com bandeiras na parte superior e escuras no interior.
No corpo do edifício apresentam ornamentação de cimalhas, frisos, regas, relevos, na alvenaria, apliques, medalhões e molduras ao redor dos vãos.