Imóvel da Avenida Vicente Machado, nº 27 (Mercadomóveis)

Processo: 39/2001


O antigo nome da Avenida Vicente Machado, Rua do Comércio, já demonstrava a grande vocação em abrigar as mais conceituadas casas de comércio de Ponta Grossa.
Por volta de 1910, a Avenida foi pavimentada com paralelepípedos e alguns anos depois, foram plantadas árvores em sua parte central, mas na década de 40, estas foram derrubadas, bem como as árvores das ruas Balduíno Taques e Bonifácio Vilela. Já o afastamento da Avenida Vicente Machado foi realizado nos anos 60.
O comércio ponta-grossense foi referência para todo o Estado, pois abastecia as cidades vizinhas com seus grandes atacadistas, depósitos, armazéns, açougues, casas de armarinhos e alfaiatarias de grande prestígio, que possuíam clientes elegantes e que exigiam bom gosto no divertir-se.
O imóvel de número 27, da Avenida Vicente Machado, está inserido neste contexto, pois no local funcionou a Alfaiataria Muzzillo, propriedade do Sr. Antonio Muzzillo, que possuía grande variedade em figurinos da moda.
Na década de 60 (1963- conforme foto do Álbum de Ponta Grossa deste ano), o prédio foi sede da Colchoaria Leão, comandada pelo Sr. Leon Judkowitch, fábrica especializada em colchões e acolchoados.
Há também a importância histórica e social dos arredores do imóvel em questão, pois ele confronta-se de um lado com um prédio que pertenceu a Augusto Canto Júnior e posteriormente foi de seus três filhos: Norma Canto de Azevedo Bueno, Luiz Gonzaga Canto e Augusto Guilhermino Canto.
Augusto Canto Júnior destacou-se na Literatura pelos artigos que escreveu para os jornais da cidade; foi autor de crônicas e histórias de Ponta Grossa; escreveu a obra “Menina dos Meus Olhos” (relatando fatos ponta-grossense), desta maneira, defendeu a ideia de preservar a memória e a identidade cultural da cidade.
Seu pai, Augusto Canto, foi um dos primeiros imigrantes germânicos a chegarem em Ponta Grossa e um dos pioneiros em vários empreendimentos da cidade, entre eles o primeiro cinema, Cine Recreio, onde a sociedade princesinha marcava presença nos finais de semana. Também fundador, em 1883, da “Casa Canto” – casa das sementes que revende para todo o Brasil.
No Ano de 1943, Augusto Canto Júnior assumiu a direção do estabelecimento e perpetuou a tradição aos seus três filhos, que mantêm a “Casa do Canto” com muito trabalho há mais de cem anos.
Atualmente o prédio é de propriedade do Sr. Luis Eduardo Wambier, médico de Ponta Grossa. A família Wambier possui grande tradição na cidade, pois vários de seus membros seguem carreira nas áreas da Medicina e Odontologia.
Cabe destacar, ainda desta família, o Sr. Daily Luiz Wambier, que trabalhou nos seguintes campos profissionais: ferroviário, jornalismo e na política. Foi colunista de jornais e literário. Sempre engajado em assuntos sociais, participou ativamente de ações e obras comunitárias.

Pesquisadora: Claudine Cavalli Fontoura.
Supervisora: Isolde Maria Waldmann.

Ficha Técnica