Em 29 de setembro de 1989, um grupo de artesãos e o coordenador do artesanato se reuniram com autoridades e elegeram a primeira Diretoria da Casa do Artesão de Ponta Grossa, que passou a funcionar na Rua: Balduino Taques 917, imóvel alugado pela prefeitura para a instalação da associação com salas para cursos e loja de artesanato. Em 1998 a Casa do Artesão passou a utilizar o espaço da concha acústica, situada na Praça Barão do Rio Branco.

Em 05 de junho de 2005, foi assinado um contrato com o PROVOPAR, onde a casa do artesão também ficou responsável pela administração e vendas da loja do Parque Estadual de Vila Velha. Isto porque a associação é praticamente a única que possui produtos confeccionados manualmente e que representa a cidade e a região do Campos Gerais, ou seja produtos típicos e regionais.

Ponta Grossa se destaca no cenário turístico do Sul do país, o visitante tem oportunidade do lazer, turismo e possibilidade de levar lembranças da cidade e da região, que atualmente são comercializadas na Associação Casa do Artesão e na Loja do Parque Estadual de Vila Velha. Utilizando-se da rota dos Tropeiros, o artesanato tornou-se mais divulgado e comercializado de uma forma organizada. A atividade artesanal gera ocupação e renda, portanto, tem importância econômica, e também cultural, pois, preserva técnica e tradições populares.

O artesanato são obras feitas a mão, objetos confeccionados a partir de materiais diversos, objetos cuja matéria prima natural que passam por um tratamento especial e são transformados, manualmente ou mecanicamente sob processo caseiro, exemplos souvenir local e regional, esculturas, alimentos caseiros, velas, pinturas, tricôs, crochês, bordados, enfeites entre outros cujo materiais são de palha de milho, vidro, tecido, porcelana, madeira, couro, gesso, metal etc.